Christmas

De Portugal e de mim...

13:50

Passei quinze dias em Portugal,  mas sinto que foi um mês por tudo o que fiz. Consegui estar com todos o que são mais importantes para mim, mas o tempo foi ingrato. Visitei o Porto, o algarve, a margem sul e  descansei no Alentejo. 
Em Faro reencontrei a língua portuguesa e reencontrei o amor.  A distância nunca foi um problema para nós, mas é esta que nos impede de viver diariamente este tipo de paixão. Este tempo nunca vamos reencontrar e mudar, mas resta-nos pensar que um dia nada nos vai separar. 
O porto contínua lindo, as minhas pessoas continuam lá. Desculpem as menos de 24horas que passei na cidade, desculpa cidade não te conseguir sentir. Obrigado por tudo e terem entrado em mim.
Em faro encontrei as amigas de sempre, com o mesmo sorriso e o mesmo carinho. Por Faro nunca me apaixonei mas por algumas pessoas que nela vivem vou ter sempre amor. 
O recanto da praia da luz, permitiu-me o descanso e a reflexão, e ainda me deu a mão para entrada do ano. 
Bem perto de Lisboa deixei parte do meu coração. Dois dias foi o tempo que consegui ficar lá, que permitiu os abraços, os beijinhos e os choros de quem é mais genuíno comigo, de quem não tem medo de chorar por dizer adeus, de quem não quer e nem consegue compreender a distância. Os óculos de sol esconderam a lágrima no canto do olho, mas nada esconde a dor que sinto por dizer adeus.  Desculpa! Desculpa o pouco tempo. Queria prometer ser uma tia mais presente mas não sei se posso. 
No Alentejo, na minha casa, no meu porto de abrigo, não encontrei o que deixei. Tudo parece mudar devagar, mas quando se afastamos parece uma grande e repentina alteração. Apesar de tudo sei que aqui vou encontrar os meus alentejanos favoritos. Sei que vou poder marcar um jantar com aqueles amigos. Sei que vou encontrar os amigos do abraço apertado, que tenta por tudo disfarçar a saudade.  Na zambujeira vou poder dizer bom dia a toda gente e vou encontrar o mais puro do meu porto de abrigo, os meus pais orgulhosos. Pai que sentem a saudade rodeada por medo da distância, do sofrimento, e do incontrolável.


Desejando com isto que  2016 nos aproxime a todos ainda mais.




You Might Also Like

6 pensamentos sobre o meu segredo

  1. As visitas a casa não são nada fáceis. Tanta coisa para (re)viver, em tão pouco tempo...

    ResponderEliminar
  2. DANY, estaas inspirada=) gostei mt do teu texto

    ResponderEliminar
  3. <3 A distância é um treta, mesmo. Muita força! Bom ano 2016 :)

    ResponderEliminar
  4. Não é fácil estar longe dos que são vida em nós.
    Em breve, serei eu... a emigrar.

    Blog: http://umdiadepoisdoanopassado.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  5. Adoro esses legos! feliz 2016 :)
    Bj S

    ResponderEliminar

Like us on Facebook

Loading followers